Virgínia Rosa nasceu e cresceu em São Paulo. Na adolescência, ela e seus primos participaram de festivais estudantis com o Grupo Lógica. Nos anos 1980, Virgínia foi vocalista da banda Isca de Polícia e do grupo Mexe com Tudo.

Em 1997, lançou seu primeiro CD solo: “Batuque” (indicada como cantora revelação no Prêmio Sharp). Depois vieram os discos “A Voz do Coração”, “Samba a Dois”, “Baita Negão” “Virgínia Rosa e Geraldo Flach – Voz & Piano” e “Virgínia Rosa Canta Clara”. Ao longo destes anos, Virginia cantou forró, samba, choro, maxixe, jazz, reggae, carimbó, funk, blues, balada, baião, maracatu e até música erudita.

Os shows “Na Batucada da Vida”, “Virgínia Rosa Canta Clara” (em que homenageia Clara Nunes e que deu origem também a um especial de TV e um CD) e sua participação ao lado de Geraldo Flach na série “A Mulher e o Piano – Uma História de Amor” são apenas alguns de seus trabalhos. No espetáculo “Palavra de Mulher” (DVD lançado em 2015), a cantora sobe ao palco ao lado de Lucinha Lins e Tania Alves para interpretar canções de Chico Buarque.

Virgínia interpretou Dona Zica no musical “Cartola – O Mundo é um Moinha”, em 2016/17. No elenco estavam também Flavio Bauraqui (Cartola) e Adriana Lessa, entre outros.

Na TV, Virgínia fez a novela “Babilônia” e é a personagem Madalena de “Pega Pega”, trama das 19 horas da Rede Globo.